Romances Históricos do RS

ROMANCES HISTÓRICOS DO RIO GRANDE DO SUL

 

1. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. A prole do corvo. Porto Alegre: Movimento, 1978.

Ano da 1ª publicação: 1978

DESCRIÇÃO:

 Este romance apresenta um painel do que foi o último ano da Guerra dos Farrapos. O autor consegue mostrar a época da Guerra, do ponto de vista de personagens, os quais não se engajaram no movimento revolucionário e que desconhecem os esquemas de interesse econômico, que sustentam todas as guerras. A dor, o desencanto e a amargura, destas personagens, perpassam toda a narrativa.

 

 

2. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Breviário das terras do Brasil. Porto Alegre: L&PM, 1997.

Ano da 1ª publicação: 1997

DESCRIÇÃO:

 Sul do Brasil, início do século 18, próximo à zona conflagrada das reduções jesuíticas, na fronteira entre o Brasil e a as possessões espanholas. Em meio a uma tempestade no rio da Prata, agarrando-se desesperadamente a um Cristo de madeira por ele mesmo esculpido, o índio guarani Francisco Abiaru tenta manter-se à superfície. Quando tudo parece estar perdido, ele é salvo por um navio português. Suas feições de índio, e ainda o Cristo de madeira com olhos amendoados, fazem com que o índio seja acusado de heresia. Ao chegar ao Rio de Janeiro, Francisco Abiaru conhece os labirintos da Inquisição. Neste livro o leitor terá uma visão dos dramas provocados pelo Santo Ofício no Brasil.

 

 

3. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Cães da província. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1992.

Ano da 1ª publicação: 1987

DESCRIÇÃO:

 Luiz Antonio de Assis Brasil revive em Cães da Província, a alma deste personagem antológico que foi Qorpo Santo – José Joaquim de Campos Leão (1829-1883) -, desvelando simultaneamente um mundo que, sob a aparência de um burgo tranqüilo, encerrava as mais fantásticas histórias de crimes, adultérios, incestos e crueldades. Assis Brasil, neste livro, revive também a história do crime da Rua do Arvoredo ou o famoso “caso da lingüiça”.

 

ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Um castelo no pampa – Perversas Famílias (1992), Pedra da Memória (1993), Os Senhores do Século (1994).

 

4. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Perversas famílias. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1992.

Ano da 1ª publicação: 1992

DESCRIÇÃO:

 Centrando sua atenção sobre um castelo medieval construído pelo Doutor Olímpio, misto de político e patriarca familiar em pleno pampa gaúcho, Assis Brasil apresenta-nos um domínio de lenda e realidade, explorando as conflituadas relações familiares e as cavilações políticas que se desenrolaram ao abrigo das grossas paredes de pedra. Neste romance são representados cenários de luxo e requinte aristocráticos, os quais fazem reviver uma condessa austríaca, uma filha daltônica, os saraus musicais da nobreza de Pelotas, a propaganda republicana, o Rio de Janeiro da belle époque, a Exposição Universal de Paris em 1889 – tudo permeado de intrigas pelo poder.

 

 

5. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Pedra da memória. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

Ano da 1ª publicação: 1993

DESCRIÇÃO:

 Com este livro, Luiz Antonio de Assis Brasil dá a continuidade à série Um castelo no pampa; aqui vemos o desenvolvimento da trama iniciada em Perversas famílias, e seguimos a trajetória vertiginosa do Doutor Olímpio, no período que vai da proclamação da República ao final da revolução de 1923. Mas não só: assistimos ao desenrolar das paixões do conflituado Proteu, a busca da felicidade de Páris e as mil peripécias por que passa o bastardo Astor, além de conhecermos as pequenas vidas dos serviçais do Castelo. Utilizando como cenários Lisboa, Londres, Buenos Aires, Viena, Porto Alegre, Pelotas e o pampa, o autor tece uma trama em que cenas de batalhas gaúchas se alternam com momentos pungentes e episódios burlescos.

 

 

6. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Os Senhores do século. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994.

Ano da 1ª publicação: 1994

DESCRIÇÃO:

 Este romance acompanha a epopéia pessoal do Doutor Olímpio. Despreparado para o declínio, sua personalidade contraditória é atingida brutalmente pelos inúmeros conflitos que sempre evitou encarar, e procura salvação num projeto espantoso. Vemos também a conclusão da história de Páris: é ele mesmo quem relata as surpreendentes histórias vividas com seus tios Beatriz e Astor, num jogo entre a fantasia e a realidade. Ao lado desses emerge uma notável figura de mulher, que constrói seu destino com obstinação arrasadora. Os acontecimentos iniciam com a Revolução de 1923, passam pela Revolução de 1930 e se estendem até o governo de Jango, terminando na Revolução de 1964.

 

 

7. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Um quarto de légua em quadro: diário do doutor Gaspar de Fróis médico. 5. ed. Porto Alegre: Movimento, 1986.

Ano da 1ª publicação: 1976

DESCRIÇÃO:

 O romance de Assis Brasil situa-se no período de 1752-1753, primórdios do povoamento açoriano no Rio Grande do Sul. O livro é escrito em forma de diário pelo médico Gaspar de Fróis e discute as raízes e a gênese do povo gaúcho. Narra a implantação dos primeiros colonos açorianos na terra gaúcha, vencendo dificuldades e as contradições do sistema colonial das sesmarias.

 

 

8. ASSIS BRASIL, Luiz Antônio de. Videiras de cristal. 5. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997.

Ano da 1ª publicação: 1990

DESCRIÇÃO:

 Ambientado na colônia germânica de Padre Eterno, nos anos 1872 a 1874, reconstitui o interessante episódio em que uma legião de colonos alemães(muckers) revolta-se contra as instituições da época.  Liderados por Jacobina Maurer, cuja imagem era confundida com a do próprio Cristo, enfrentaram o próprio exército imperial. Os muckers eram pessoas fortes, que ultrapassavam a compreensão dos estreitos limites do seu tempo, tornando-se, até, objeto de filme, A Paixão de Jacobina.

 

 

9. ASSIS, Valesca de. A valsa da medusa. Porto Alegre: Movimento, 1989.

Ano da 1ª publicação: 1989

DESCRIÇÃO:

 A trama inicia com a chegada dos primeiros imigrantes alemães na região de Santa Cruz. Relata as dificuldades e necessidades por que passaram esses imigrantes no inicio da colonização, mas aos poucos a narrativa assume um estilo romântico, mostrando um triângulo amoroso entre Walvogel, Pauline Eick e Jacob Eick.

 

 

10. AZAMBUJA, Darci. Romance antigo. Porto Alegre: Globo, 1940.

Ano da 1ª publicação: 1940

DESCRIÇÃO:

 Este romance tem por cenário Porto Alegre antigo, de 1816, sem iluminação, sem calçamento e sem os traços de cidade grande, que tem hoje. Narra a história de um grande amor, o qual afronta os obstáculos que o destino e os homens lhe opõem. As personagens refletem os hábitos sociais e os modos de pensar deste período histórico.

 

 

11. BELO, Luís Alves Leite de Oliveira. Os farrapos. 5. ed. Porto Alegre: Movimento e Ed. da Furg, 1985.

Ano da 1ª publicação: 1877 (publicado na forma de folhetim no jornal A Reforma, do Rio de Janeiro)

DESCRIÇÃO:

 Romance da Revolução Farroupilha, teve sua primeira edição em 1877. Filia-se à grande árvore do regionalismo romântico. Através do drama individual da personagem central, Juca Silva, o autor aproveita para montar o lado mais negro e deprimente da guerra. Há a presença, mesmo que em plano menos importante, das personalidades históricas que comandaram os eventos da luta entre farroupilhas e imperiais. Ele põe em cena Bento Gonçalves e Garibaldi a discutirem os caminhos da revolução republicana e da possível separação da Província do resto do Império.

 

 

12. CHEIUCHE, Alcy. A guerra dos Farrapos. Porto Alegre: Habitassul, 1984.

Ano da 1ª publicação: 1984

DESCRIÇÃO:

 É uma narrativa baseada nos primeiros acontecimentos da revolução. As personagens do romance são reais, o autor dá vida às personalidades da revolução. Cada capítulo se passa em um local diferente e a leitura leva o leitor aos recantos da revolta, desde a eclosão da guerra a 20 de setembro de 1835, até a paz do Ponche Verde, a qual foi assinada, somente depois de dez anos de lutas.

 

 

13. CHEIUCHE, Alcy. Jabal Lubnàn: as aventuras de um mascate libanêsPorto Alegre, Sulina: 2003.

Ano da 1ª publicação: 2003

DESCRIÇÃO:

 O romance de Alcy Cheuiche trata dos primeiros anos da vida de seu avô Julião Cheuiche no Brasil (1893/1896). Período conturbado pela Revolução Federalista, que serve de fundo para as aventuras do mascate de Zahlé, a cidade mais cristã do Líbano. Um dos pontos altos da obra é a descrição do cerco de Bagé pelos federalistas do General Joca Tavares, aliás tio-bisavô do autor pelo lado materno. Chama atenção também no romance o processo de aculturação do libanês aos costumes campeiros. Um dos personagens do livro é Adão Latorre, o famoso degolador do Rio Negro, recriado após uma cuidadosa pesquisa histórica.

 

 

14. CHEIUCHE, Alcy. Nos Céus de Paris – romance da vida de Santos Dumond. Porto Alegre: L&PM, 1999.

Ano da 1ª publicação: 1998

DESCRIÇÃO:

 Nesse romance Alcy Cheuiche conta à história fascinante da vida do “Pai da Aviação”, Santos Dumond. Primeiro homem a dar a volta na Torre Eifel com um dirigível, sendo, por isso, até hoje cultuado na cidade de Paris.

 

 

15. CHEIUCHE, Alcy. Sepé Tiaraju: romance dos sete povos das missões. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 1978.

Ano da 1ª publicação: 1978

DESCRIÇÃO:

 O narrador desse romance é Michael, um holandês que foge da família e se torna marinheiro. Posteriormente, já na América, ingressa na Companhia de Jesus e vai trabalhar na Redução de São Miguel Arcanjo. Através dessa personagem nos é mostrado a organização das reduções guaranis, a construção da Catedral de São Miguel, relatando também o Tratado de Madri, a Guerra Guaranítica e a personagem principal, Sepé Tiaraju.

 

 

16. GOMES, Carlos de Oliveira. A solidão segundo Solano López. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.

Ano da 1ª publicação: 1980

DESCRIÇÃO:

 Este romance tem como pano de fundo a guerra movida pelos países da Tríplice Aliança (Império do Brasil, Confederação Argentina e Banda Oriental do Uruguai) de 1865 a 1870, contra Francisco Solano López presidente da República do Paraguai. Porém, mesmo guardando fidelidade aos fatos retratados, a proposta maior do romance alude ao direito à dignidade do ser humano em poder preservar o seu corpo, até mesmo, da brutalidade institucional.

 

 

17. GOMES, Carlos de Oliveira. Caminho Santiago. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

Ano da 1ª publicação: 1977

DESCRIÇÃO:

 Em Caminho Santiago, Carlos de Oliveira Gomes retrata a atmosfera social, os costumes e o ambiente de toda uma época através de um texto poderoso e realista. O personagem principal, Santiago Venturoso, o Chiru, nos leva, através de suas aventuras guerreiras e amorosas, aos bastidores da Guerra Cisplatina.

 

 

18. 19. GUIMARÃES, Josué. A ferro e fogo. – Título secundário: I Tempo de solidão (1972); II Tempo de guerra (1975). 9. ed. Porto Alegre: L&PM, 1991.

DESCRIÇÃO:

 A narrativa se passa no Rio Grande do Sul (terras como: Chuí, Santa Vitória do Palmar, São Leopoldo, Porto Alegre, Rio Grande e Portão), no tempo do Império, num ambiente hostil, pobre e violento durante e após a guerra da Cisplatina. As personagens principais são: Catarina e Daniel Abrahão, um casal de imigrantes alemães, que enganados vão ao sul do Estado, onde trabalham armazenando mercadorias. Quando inicia a Guerra da Cisplatina, Daniel descobre que aquilo que guardavam eram armas, acusado por contrabando esconde-se em um poço e Catarina é violentada pelos soldados. Este romance consegue mostrar o drama vivido pelos personagens e, consequentemente, a força da mulher imigrante.

 

 

20. GUIMARÃES, Josué. Amor de perdição. Porto Alegre: L&PM, 1986.

Ano da 1ª publicação: 1986

DESCRIÇÃO:

 Este romance é o último texto de Josué Guimarães. Nessa narrativa conta-se a história de amor entre Giuseppe Garibaldi e Manoela, sobrinha de Bento Gonçalves, comandante dos Farrapos. O ambiente desse romance é a Revolução Farroupilha.

 

 

21. GUIMARÃES, Josué. Os tambores silenciosos. 6. ed. Porto Alegre: Globo, 1981.

Ano da 1ª publicação: 1977

DESCRIÇÃO:

 A história transcorre na Semana da Pátria, em 1936, época que antecede a implantação do Estado Novo por Getúlio Vargas. O prefeito da imaginária Lagoa Branca, um ditador empenhado em tornar seu povo “feliz”, proíbe a distribuição de jornais e a posse de aparelhos de rádio, além de censurar a correspondência dos cidadãos. Através de um par de binóculos, o leitor vai acompanhar o olhar de sete irmãs solteironas, penetrando em recantos de alcovas e no gabinete da prefeitura.

 

 

22. HOHLFELDT, Antônio. O exílio na terra dos muitos. 2. ed. Belo Horizonte: Lê, 1996.

Ano da 1ª publicação: 1992

DESCRIÇÃO:

 Narra à fundação do Forte Jesus, Maria e José e a Vila de Rio Grande, atual cidade de Rio Grande. Ligado ao início da colonização portuguesa e a Revolta dos Dragões, primeiro movimento social do Estado. Famintos, proibidos de caçar ou pescar e abandonados pelo Rei de Portugal, esses soldados rebelaram-se contra o Império em 1752.

 

 

23. KIEFER, Charles. A face do abismo.Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994.

Ano da 1ª publicação: 1988

DESCRIÇÃO:

 Neste romance Kiefer narra a história efêmera da cidade de San Martin, construída sobre as cinzas de uma aldeia guarani em 1903. Seu fim acontece 75 anos depois, quando a região é inundada pelas águas de uma barragem construída no Alto Uruguai. A narrativa não é linear: ao mesmo tempo em que o narrador conta sobre a fundação da cidade e a sua própria história; Alberta Zeller, filha de um dos fundadores, conta ao neto à trajetória da doze famílias alemãs que vieram de São Leopoldo e dos seus descendentes que nasceram e viveram na cidade. Durante a narrativa afloram o massacre dos guaranis na ocupação da terra, as dificuldades dos imigrantes alemães, as transformações sócio-econômicas por que passou o Rio Grande do Sul ao longo do século XX, os problemas políticos (revoluções de 23, 30, 32 e 64) e, finalmente, os alagados que darão origem aos atuais sem-terra.

 

 

24. LACAVA, Eloy. Vinho Amargo. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 1987.

Ano da 1ª publicação: 1987

DESCRIÇÃO:

 Neste livro de Eloy Laçava nos é contada a história de uma comunidade de italianos e seus descendentes no Sul do Brasil que, perplexos, vêem, de uma hora para outra, todos os valores de uma civilização criada com trabalho e sacrifício colocados sob suspeita por uma minoria jacobina e intolerante de nacionais.

 

 

25. LÉON, Zênia de. Memórias da escravidão. Canoas, RS: La Salle, 1991.

Ano da 1ª publicação: 1991

DESCRIÇÃO:

 Romance histórico que retrata a época da escravidão na cidade de Pelotas no Rio Grande do Sul. Prende-se a história do negro, objeto de negócio rendoso, bem como a elite social da época. Lança olhares elucidativos, que revivem episódios memoráveis da Revolução Farroupilha e da luta dos quilombos em seus redutos da serra dos Tapes, contra os senhores das charqueadas.

 

 

26. MAESTRI, Mário José. Carcaça de Negro. Porto Alegre: Tchê, 1988.

Ano da 1ª publicação: 1988

DESCRIÇÃO:

 Manoel Congo decide fugir da charqueada para o quilombo dos Tapes. Ao redor dessa história, Maestri descreve as atividades que os escravos desempenhavam nas estâncias da Campanha, desde a preparação do charque, o abate das reses até o embarque para o centro e nordeste do Brasil.

 

 

27. MÁRSICO, Gladstone Osório. Cogumelos de outono. 2. ed. Porto Alegre: Movimento, 1986.

Ano da 1ª publicação: 1972

DESCRIÇÃO:

 Os acontecimentos desse romance transcorrem na pequena cidade de Boa Vista e vão da revolução de 1923 até o fim da II Guerra Mundial. Este romance apresenta um período conturbado da história do RS. Na segunda parte do romance o autor se preocupa com a influência que teve a II Guerra nessa cidade, onde imigrantes alemães e italianos tomam posição destacada nos acontecimentos e torcem pela vitória do nazi-fascismo. As personagens ficcionais atuam juntamente com as personalidades históricas como: Flores da Cunha, Osvaldo Aranha, Getúlio Vargas, Cordeiro de Farias e outros.

 

 

28. MÁRSICO, Gladstone Osório. Cágada – a história de um município a passo de.Porto Alegre: Movimento, 1974.

Ano da 1ª publicação: 1974

DESCRIÇÃO:

 Romance ambientado no município, que inicialmente, chamava-se Velópolis e depois passou a chamar-se Cágada. Localizado na zona da serra do Estado, este local abrigava um reduto de imigrantes e descendentes judeus. Esse romance procura mostrar o lado humorístico da colonização judaica no RS e os três dias que precederam o movimento político de 1964. Todos os fatos e pessoas são imaginários, exceção feita às personagens históricas que entremeiam a narrativa.

 

 

29. MARTINS, Cyro. Gaúchos no obelisco. Porto Alegre: Movimento, 1984.

Ano da 1ª publicação: 1984

DESCRIÇÃO:

 Neste romance, João Silveira, um rapaz simples da campanha, protagoniza ironicamente os eventos da revolução de 30, dos preparativos revolucionários no Rio Grande do Sul à chegada de Getúlio Vargas no Rio de Janeiro. O autor tomou o episódio dos revolucionários amarrando os cavalos no Obelisco da Capital Federal para título por julgá-lo simbólico do arrebatamento da época e do triunfo revolucionário.

 

 

30. MARTINS, Cyro. Sombras na correnteza. Porto Alegre: Movimento, 1979.

Ano da 1ª publicação: 1979

DESCRIÇÃO:

 É o romance da revolução de 1923. Aqui Cyro Martins dá um passo adiante e explora o conteúdo da comédia política e caudilhesca da campanha gaúcha, deixando clara sua visão histórica da Revolução de 23. A luta é entre os coronéis, entre os senhores do poder – o povo assiste a tudo com curiosidade, apenas.

 

 

31. NEDEL, Rui. Esta terra teve dono. Porto Alegre: Tchê!, 1984.

Ano da 1ª publicação: 1984

DESCRIÇÃO:

 O autor apresenta o episódio dos sete povos das missões. A personagem Sepé Tiaraju aparece, tanto como homem e como mito de uma raça, quanto como amante frustrado do Índia Maria e herói derrotado no plano temporal. O romance informa, também, os dramas das reservas indígenas e o papel secundário exercido pelo Rio Grande do Sul, em relação ao centro do país.

 

 

32. NEDEL, Rui. Te arranca alemão batata. Porto Alegre: Tchê!, 1986.

Ano da 1ª publicação: 1986

DESCRIÇÃO:

 O autor traça um painel da vida dos imigrantes alemães no Rio Grande do Sul, desde a viagem da Alemanha para o Brasil, a chegada ao Estado na primeira metade do século passado até 1923 e sua sangrenta guerra civil.

 

 

33. ORNELAS, Manoelito de. Tiaraju. Porto Alegre: Globo, 1945.

Ano da 1ª publicação: 1945

DESCRIÇÃO:

 Este livro retrata a história de Sepé Tiaraju, o primeiro caudilho rio-grandense. Ambientado na redução de São Miguel, este romance apresenta o episódio das guerras guaraníticas, onde os índios missioneiros lutaram, em defesa da gleba nativa, contra as forças de Portugal e de Espanha. Além disso, o livro possui pequenos trechos tirados de outros livros, como, por exemplo, do “Tratado de Madrid”, o que dá uma noção de realidade histórica a obra. Também é dado grande destaque a figura de Sepé Tiaraju, como símbolo de sua raça, que por sua vez, também, ganha destaque na obra.

 

 

34. PORTO ALEGRE, Apolinário José Gomes. O vaqueano. Porto Alegre: Globo, 1927.

Ano da 1ª publicação: 1872

DESCRIÇÃO:

 O pano de fundo do romance é a Revolução Farroupilha e o enredo mescla dois temas: amor e vingança, em que estão envolvidos José de Avençal, filho de um estancieiro, e Rosita, moça da região serrana.

 

 

35. POZENATO, José Clemente. A Babilônia. Caxias do Sul: Maneco, 2006.

Ano da 1ª publicação: 2005 (Tese de Doutorado em Letras: PUCRS)

DESCRIÇÃO:

 Apresenta os filhos dos imigrantes, até 1942, quando o Brasil declara guerra à Itália e os italianos gaúchos começam a explorar Santa Catarina e Paraná.

 

 

36. POZENATO, José Clemente. A cocanha.Porto Alegre: Mercado Aberto,2000.

Ano da 1ª publicação: 2000

DESCRIÇÃO:

 Fala da saída dos italianos da Itália, no século 19. Narra também o início da colonização italiana no sul do Brasil.

 

 

37. ROSA , Otelo. Os amores de Canabarro. Porto Alegre, Globo: 1933.

Ano da 1ª publicação: 1933

DESCRIÇÃO:

 A revolta dos Farrapos, aqui, também, é o fato histórico que norteia os demais acontecimentos, aparece como o plano de fundo da narrativa. O romance tem como protagonista Davis de Canabarro, no comando do exército Farroupilha. Relata detalhes da guerra, dos anos difíceis, de privação e de sacrifício. Outro plano da narrativa detém-se em narrar alguns episódios da vida amorosa do general Canabarro e das várias mulheres que tivera.

 

 

38. RUAS, Tabajara. O Amor de Pedro por JoãoPorto Alegre: L&PM, 1982.

Ano da 1ª publicação: 1982

DESCRIÇÃO:

 Nos anos de chumbo, exílio é palavra corrente. Muitos são os que vivem o drama de deixar o Brasil, perseguidos pelos agentes da ditadura. Pessoas como os personagens de O Amor de Pedro por João, de Tabajara Ruas. O livro mostra o outro lado da militância política: a solidão. Como tantos brasileiros, os protagonistas procuram abrigo, inicialmente, no Chile socialista de Allende. Afugentados pela revolução de Pinochet, são obrigados a partir para um novo exílio na Europa.

 

 

39. RUAS, Tabajara. Netto perde sua alma. 2 ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1995.

Ano da 1ª Publicação: 1995

DESCRIÇÃO:

 O general Antonio de Souza Netto é o personagem principal dessa narrativa. O narrador de Netto perde a sua alma resgata a história sulina através desse herói farroupilha que participou da Revolução Farroupilha e da Guerra do Paraguai, episódios que tumultuaram a região sul do Brasil no século XIX. A narrativa se passa no Hospital Militar de Corrientes onde o general está internado devido a um ferimento de combate ocorrido na Guerra do Paraguai. Nesse hospital Netto reencontra um velho companheiro da Guerra dos Farrapos, o sargento Caldeira, ex-escravo do corpo de Lanceiros Negros, e com ele relembra fatos passados.

 

 

40. RUAS, Tabajara. Os varões assinaladoso romance da Guerra dos Farrapos. Porto Alegre: L&PM, 1985.

Ano da 1ª publicação: 1985

DESCRIÇÃO:

 Os Varões Assinalados, de Tabajara Ruas, narra a história da mais longa guerra civil em solo brasileiro, a Guerra dos Farrapos, ocorrida no século XIX (1835-1845), no Rio Grande do Sul. As personagens principais são os próprios comandantes da revolta: Bento Gonçalves, Antônio de Souza Netto, Bento Manuel e outros. No romance são narrados detalhes da guerra, desde as negociações que fracassaram e precipitaram a revolta até as batalhas, as marchas, as prisões, as fugas espetaculares, os amores, as vitórias, as derrotas e traições.

 

 

41. SANTOS, Antônio. A lenda do centauro. Rio de Janeiro: Record, 1999.

Ano da 1ª publicação: 1999

DESCRIÇÃO:

 A lenda do centauro conta a história de amor e morte de um casal, durante cinqüenta anos. Todos os encontros e desencontros das personagens Artêmio Martins e Helena Romano se dão em meio a revoluções, conflitos e guerras. O romance começa com a Revolução Farroupilha, em 1838, e prossegue com a invasão do Império brasileiro no Uruguai, passa pela tomada de Buenos Aires e termina na Guerra do Paraguai. Como pano de fundo tem-se a proclamação da República e a Revolução Federalista gaúcha, em 1892.

 

 

42. SCLIAR, Moacyr. A estranha nação de Rafael Mendes. Porto Alegre: L&PM, 1983.

Ano da 1ª publicação: 1983

DESCRIÇÃO:

 Rafael Mendes, personagem principal da narrativa de Scliar, faz a reconstituição da sua genealogia familiar. A personagem parte do Brasil atual, sacudido pela corrupção e por escândalos financeiros, e chega ao bíblico profeta Jonas, tragado pela baleia. Durante sua trajetória surgem os cristãos novos da Península Ibérica no século XV, a perseguição religiosa motivada pelos reis ibéricos, a vinda para o Brasil durante o século XVI até a chegada ao Rio Grande do Sul.

 

 

43. SCLIAR, Moacyr.  A guerra no Bom Fim. 6. ed. Porto Alegre: L&PM, 1996.

Ano da 1ª publicação: 1972

DESCRIÇÃO:

 O personagem Joel, oriundo de O carnaval dos animais, é o herói de A guerra do Bom Fim, livro que analisa, a partir do bairro do Bom Fim, em Porto Alegre, as relações familiares e os costumes judeus, a viagem a Israel como terra prometida e uma visão dolorosa da guerra no Oriente Médio. Joel é o protagonista desta novela que mistura realismo e fantasia. Ele relembra seus tempos de menino judeu, quando vivia com a família na Porto Alegre dos anos 1940, em pleno bairro Bom Fim, o coração judaico da capital gaúcha. Revivendo seus anos de aprendizado, Joel busca na memória o garoto que, em meio às notícias da guerra na Europa e uma comunidade imigrante vinda de lá, brincava com os amigos e aventurava-se pelas calçadas do bairro, conhecendo os fatos da vida. A imagem e as angústias do célebre escritor Franz Kafka são um espectro que paira sobre o passado e o presente de Joel, que, como sua família, luta para se adaptar em uma sociedade que é e não é a sua.

 

 

44. SCLIAR, Moacyr. A majestade do Xingu. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Ano da 1ª publicação: 1997

DESCRIÇÃO:

 O livro A Majestade do Xingu, de Moacyr Scliar, inicia com a vinda dos imigrantes judeus para o Brasil, em 1921. Além disso, retrata a situação social da então Rússia até a Revolução Socialista. Através das memórias de um imigrante judeu é contada a história do médico russo Noel Nutels, homem dedicado a atender os índios do Xingu.

 

 

45. SCLIAR, Moacyr.  Mês de cães danados. Porto Alegre: L&PM, 1977.

Ano da 1ª publicação: 1977

DESCRIÇÃO:

 Scliar constrói a sua narrativa sobre os últimos dias de agosto daquele agitado ano de 1961, imediatamente após a renúncia de Jânio Quadros, quando, sob um clima de incertezas e ameaças, João Goulart, apoiado por Brizola, assumia a Presidência da República. Com sua narrativa nervosa e tensa, este livro conta a trajetória de um homem de tradicional família dos pampas gaúchos até a sarjeta de uma Rua em Porto Alegre. De filho de fazendeiro a mendigo. Uma vida atribulada, anos agitados, aventuras, amores, heroísmo. Mês de cães danados é, ao mesmo tempo, um poderoso trabalho de ficção e uma reflexão sobre momentos importantes da história de nosso país.

 

 

46. SCLIAR, Moacyr. Sonhos Tropicais. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

Ano da 1ª publicação: 1992

DESCRIÇÃO:

 Este romance de Moacyr Scliar trata sobre o médico Oswaldo Cruz, responsável pela introdução no Brasil do controle científico das epidemias,e protagonista da Revolta da Vacina.

 

 

47. SEVERO, José Antônio. Os senhores da guerra. Porto Alegre: L&PM, 2000.

Ano da 1ª publicação: 2000

DESCRIÇÃO:

 O cenário deste romance e a época são os últimos dias da revolução de 1923, no Rio Grande do Sul. O protagonista é o jovem advogado Júlio Rafael Bozano, tocado pelos demônios da política. O narrador é o secretário da força comandada por Bozano, sua memória parece conduzir o leitor, para dentro dos acampamentos, para as rodas de fogo, para as inquietações que pontuam a véspera das batalhas e perseguições. Retrata um painel minucioso, dos muitos aspectos da revolução em diferentes pontos do Estado.

 

 

48. SOARES, Mozart Pereira. Alecrim e manjerona. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2000.

Ano da 1ª publicação: 2000

DESCRIÇÃO:

 Alecrim e Manjerona é um romance que tem como pano de fundo duas revoluções ocorridas em território gaúcho: a Revolução Federalista de 1893, contra o governo de Júlio de Castilhos, e a Revolução de 1923, em que uma parcela da classe dominante arregimentou-se sobre a liderança de Assis Brasil. Baseado em fatos e personagens históricos a narrativa retrata, em forma de ficção, os momentos difíceis e conturbados por que passou o RS na virada do séc. XIX para o séc. XX.

 

 

49. VERISSIMO, Érico. Incidente em Antares. Porto Alegre: Globo, 1971.

Ano da 1ª publicação: 1971

DESCRIÇÃO:

 A ficcional cidade de Antares serve de cenário para o dramático “incidente” da sexta-feira, 13/12/1963. Antares pára completamente, pois, os trabalhadores exigem salários mais justos e entram em greve. Até a entrada do cemitério é bloqueada pelos grevistas. A situação na cidade torna-se insuportável: há seis mortos esperando pelo sepultamento, há a greve geral e as loucuras do presidente do país e do governador do Estado – tudo respira anarquia nacional. Este romance utiliza, de forma inteligente, recursos como a ironia e a sátira para assim, lançar um olhar objetivo aos problemas políticos, econômicos e sociais da época.

 

 

VERISSIMO, Érico. O tempo e o vento – O continente (1949), O retrato (1951), O arquipélago (1961 e 1962).

 Considerada a epopéia do Rio Grande do Sul a trilogia O Tempo e o Vento reconstitui uma época de importância na cultura brasileira, a partir da formação do Rio Grande do Sul. A obra se divide em três partes, abarcando duzentos anos da história rio-grandense.

 

 

50. VERISSIMO, Érico. O continente. 29. ed. São Paulo: Globo, 1994.

DESCRIÇÃO:

 Na primeira parte da trilogia: O continente, as ações abrangem o período entre 1745, a época das guerras de fronteiras e do estabelecimento das primeiras estâncias, e 1895, data da reestruturação da República no Rio Grande do Sul. É narrada a história das duas famílias, os Terra e os Cambará, e os acontecimentos que provocaram a formação da sociedade patriarcal rio-grandense. Aparecem muitas personagens, entre as quais: Pedro Missioneiro, Ana Terra, Pedro Terra, Bibiana, Capitão Rodrigo, Bolívar e Licurgo.

 

 

51. VERISSIMO, Érico. O retrato. 3. ed. Porto Alegre: Globo, 1975.

DESCRIÇÃO:

 Na segunda parte do livro: O retrato, a duração do tempo é menos. A história se desenvolve entre 1909 e 1915. O panorama político começado dois séculos antes chega, aqui, à sua culminância no Estado Novo. Apresenta a personagem Rodrigo Cambará, homem da era getulista, que vive entre Santa Fé e o Rio de Janeiro e não tem a dimensão de seu antecedente, o capitão Rodrigo Cambará. Através dessa personagem, o autor analisa a diluição lenta e progressiva dos valores morais que determinaram o passado rio-grandense. Esta personagem aparece como um homem conflitado, instável e, socialmente, não é mais do que uma caricatura política da ditadura getulista.

 

 

52. VERISSIMO, Érico. O arquipélago. 13. ed. São Paulo: Globo, 1986.

DESCRIÇÃO:

 Na terceira parte: O arquipélago aparece a história de Santa Fé e da família Cambará, cuja narrativa se finaliza no momento em que o presente e o tempo da ficção se encontram. Estamos no ano de 1945. A célula familiar parece desagregar-se e se transforma, assim, no “arquipélago” da incomunicabilidade. Diversas vezes, o autor corta as situações, retrocedendo ou avançando no tempo, apresentando fragmentos retrospectivos da família Cambará, que são, ao mesmo tempo, etapas do desenvolvimento histórico da cidade de Santa Fé, do Rio Grande do Sul e, mais remotamente, do Brasil.

 

 

53. VERISSIMO, Erico. Saga. 8. ed. Porto Alegre: Globo, 1976.

Ano da 1ª publicação: 1940

DESCRIÇÃO:

 Érico Veríssimo escreve, em 1940, o romance Saga. O livro é uma reflexão sobre a guerra. Vasco Bruno, brasileiro, alista-se na Brigada Internacional, e conta, na primeira pessoa, suas experiências como combatente na Guerra Civil Espanhola. A personagem parece tentar combate, aquilo que mais odeia: a tirania do caudilhismo, a tirania dos desníveis de classes (política e econômica) e a violência desenfreada. Terminado o conflito, Vasco volta para sua terra, onde há outro tipo de guerra para ele, dentro de uma sociedade pequeno-burguesa em que ele se sente deslocado. Situação que era reinante na vida social brasileira de antes da Segunda Guerra.

 

 

54. VOLOCH, Adão. O colono judeu-açu: o romance da colônia Quatro Irmãos – Rio Grande do Sul. São Paulo: Novos Rumos, [1980?]

Ano da 1ª publicação: 1980

DESCRIÇÃO:

 Testemunho baseado em personagens e fatos reais que registra as mudanças no seio de um grupo social transplantado para o Brasil.

 

 

55. WIERZCHOWSKI, Letícia. A casa das sete mulheres. 14. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2005.

Ano da 1ª publicação: 2003

DESCRIÇÃO:

 Romance escrito sob uma perspectiva diferente das comuns, uma vez que, nesta narrativa, a Revolução Farroupilha é vista através do olhar feminino, ou seja, pelas percepções de Manuela. Cuja voz narra o episódio em que o líder do movimento, general Bento Gonçalves, isolou as mulheres de sua família em uma estância afastada das áreas em conflito. A guerra prolonga-se e as mulheres sofrem muito de solidão, porém, mostram toda a garra de mulher gaúcha ao defender seu lar dos perigos que, ali, rondavam.

 

 

56. WIERZCHOWSKI, Letícia. Um farol no pampa – a casa das sete mulheres, livro 2. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2004.

Ano da 1ª publicação: 2004

DESCRIÇÃO:

 É um desdobramento do romance A casa das sete mulheres. Neste livro os espaços se ampliam, o pampa é mais uma vez o cenário e, Manuela é mais uma vez, a voz dos acontecimentos. Aqui, ela conta o que foi feito do Rio Grande do Sul e de sua gente, depois do malfadado final da Guerra. Narra o destino da personagem chamado Matias, cuja história se mescla com a vida das personagens femininas da “casa das sete mulheres”.

 

 

57. WIERZCHOWSKI, Letícia. Uma ponte para Terabin. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2007.

Ano da 1ª publicação: 2007

DESCRIÇÃO:

 Este livro de Letícia Wierzchowski mescla fatos históricos com a vida dura de um imigrante no início do século XX, coincidentemente o avô da autora. No livro narra-se a chegada desse imigrante no Brasil, sua adaptação ao novo mundo, à nova língua e aos costumes. A busca por uma esposa: a serena e forte Ana. Uma ponte para Terabin conta as andanças desse personagem fascinante. Um homem capaz de abandonar sua própria pátria para se envolver numa das guerras mais sangrentas da história, a segunda guerra mundial.